Gerald Thomas revisita o aclamado Terra em Trânsito

Agora para o audiovisual, com dramaturgia reformulada para o contexto mundial da atualidade

Divulgação
Credit...Divulgação

A situação chave de Terra em Trânsito (versão 2021) se mantém a mesma de 15 anos atrás: uma atriz (Fabiana Gugli) enclausurada no camarim com seus delírios, momentos antes de entrar em cena para cantar Liebestod, sua ária em Tristão a Isolda, conversando o tempo todo com um cisne judeu (com voz do ator Marcos Azevedo). Mas para a experiência com a “nova linguagem” teatro-cinema, o autor e diretor Gerald Thomas reformulou a dramaturgia para o novo contexto político, econômico e cultural, realidades diferentes da montagem original.

A dramaturgia de Thomas é sempre um desabafo a respeito do que acontece no mundo, em política, economia, cultura e trivialidades. "A versão original era, entre outras coisas, um desabafo político contra George W. Bush e a atual é um desabafo contra Donald Trump e outras outras coisas mais. Em 2006 a atriz se drogava com cocaína, agora ela se droga com pílulas de prescrição médica", comenta Thomas. "A ária Liebestod que a solista vai cantar significa 'Morte através do amor', que é mais ou menos como os políticos nos veem, querem que a gente ame eles através da morte, porque produzem guerras em todos os lugares", enfatiza

A proposta de Gerald Thomas para a versão teatro-cinema de Terra em Trânsito é transpor o olhar da câmera para o olhar do espelho que encara a protagonista. Neste sentido, é uma filmagem estática, inanimada, porém de forma alguma desprovida de sentido. A esse respeito da opção de Thomas, Leon Barbero, diretor de filmagem e edição, diz que “a delimitação imposta pelos quatro cantos do quadro imprime o tom claustrofóbico da obra e coloca o espectador no papel de julgador. Afinal, o espelho é o julgamento primordial, aquele que nos mostra o que realmente somos.”

A montagem celebra a parceria artística de mais de duas décadas entre Gerald Thomas e Fabiana Gugli.

"O Terra de 2021 dialoga com o momento que vivemos. Estamos há um ano confinados dentro da casa, enlouquecendo aqui dentro sobre o mundo lá fora. Em 2006, estava no palco, com plateia, luz e cenário. Agora, tudo foi adaptado para o espaço íntimo da minha casa, adereçado com memorabilia e objetos da minha trajetória teatral. Estou exposta, sem truques, nem artifícios e o texto para mim nunca fez tanto sentido: misturando a vida com a arte, a sala da casa com o camarim da diva, uma atriz/personagem que foi substituída ou esquecida. A grande sacada desta nova experiencia foi transformar o espectador no Big Brother dentro do camarim. É através do espelho, no jogo de espelhos, que tudo acontece, agora dentro de uma tela –, declara Fabiana Gugli.

Retrospectiva de Terra em Trânsito

O espetáculo foi concebido por Gerald Thomas, em 2006, especialmente para a atriz Fabiana Gugli. A peça estreou no Sesc Vila Mariana e cumpriu temporadas em outras duas unidades do Sesc São Paulo, foi representada no Rio de Janeiro e viajou por dois anos pelo Brasil, recebendo ótima recepção do público e da crítica especializada: Bárbara Heliodora (O Globo), Macksen Luis (Jornal do Brasil), Edward Pimenta Jr. (Revista Bravo!), Sérgio Salvia Coelho (Folha de São Paulo). Por sua atuação, Fabiana foi indicada ao Prêmio Shell Melhor de Atriz. Também fez curta temporada, com versão em inglês, no La MaMa Theater, o mais importante teatro experimental de Nova York. Em 2007 representou o Brasil no Festival de Teatro de Córdoba, na Argentina, com versão em espanhol. Recebendo boas críticas de Cait Weiss e Beatriz Molinari, respectivamente. Em julho de 2020, foi adaptado para uma live, em única apresentação, dentro do projeto #EmCasaComSesc.

Serviço: Terra em Trânsito / Estreia dia 10 de abril de 2021, às 20h./ Temporada: Dias 10, 11, 17, 18, 24 e 25 de abril, sábados e domingos, 20h; a partir de 1º de maio, a peça ficará disponível por 24h por dia, todos os dias, até 31 de maio./ A transmissão gratuita será pela plataforma digital YouTube, com acesso exclusivo pelo link. / Ingresso: Transmissão gratuita / Classificação indicativa: 14 anos / Duração: 40 min. (aproximadamente).