FNA premia vencedores do 14º Prêmio Arquiteto e Urbanista do Ano

Federação Nacional dos Arquitetos e Urbanistas entregará o prêmio em Salvador/BA

A Federação Nacional dos Arquitetos e Urbanistas (FNA) anuncia os nomes dos vencedores do 14º Prêmio Arquiteto e Urbanista do Ano 2019 e dos vencedores no Prêmio FNA 2019. Os escolhidos serão homenageados no dia 30 de novembro, durante a programação do 43º Encontro Nacional de Sindicatos de Arquitetos e Urbanistas (ENSA), que acontece em Salvador (BA) até o dia 1º/12.

Neste ano, o 14º Prêmio Arquiteto e Urbanista do Ano reconheceu o trabalho de três profissionais arquitetos e urbanistas, sendo dois oriundos do Setor Público e um do Setor Privado. Os vencedores são: Mário Mendonça de Oliveira, na categoria Setor Público, e Olívia de Oliveira e Sergio Ekerman, na categoria Setor Privado. A premiação homenageia os profissionais que se destacaram ao longo do ano em atividades vinculadas ao aperfeiçoamento, fortalecimento e reconhecimento da função social da profissão. “Os premiados têm sua atuação voltada à valorização de ações, projetos e obras que geram impacto positivo nas comunidades brasileiras”, afirma Cicero Alvarez, presidente da FNA.

Já o Prêmio FNA 2019, em sua segunda edição, leva em consideração o potencial de ações alinhadas com os objetivos da entidade e que auxiliam na construção de uma sociedade melhor e para a coletividade. “Reconhecemos iniciativas que promovem um olhar diferenciado sobre o exercício da arquitetura e urbanismo, fortalecendo a sua inserção na sociedade brasileira”, afirma Valeska Peres Pinto, integrante do Conselho Consultivo da FNA. Os premiados neste ano foram Flávio Tavares Brasileiro – Prefeitura de Conde/PB, Gilson Paranhos – ATHIS na Codhab-DF; Acervo Assis Brasil e Mestrado Profissional em Conservação e Restauração de Monumentos e Núcleos Históricos da UFBA (MP-CECRE).

Prêmio 14º Arquiteto e Urbanista do Ano - 2019

Na categoria Setor Privado foi reconhecido o conjunto da obra de Mário Mendonça de Oliveira, nascido no sertão da Bahia em 1936 e formado pela UFBA em 1961. Além de uma intensa atuação acadêmica como diretor e coordenador do curso de arquitetura e Urbanismo na UFBA, participou da criação do CECRE -- Curso de Especialização em Conservação e Restauração de Monumentos e Sítios Históricos - e sob os auspícios do Instituto de Conservação de Roma, idealizou e criou o Núcleo de Tecnologia da Preservação e da Restauração, laboratório de pesquisa instalado na Escola Politécnica da UFBA – considerado um dos mais importantes centros de pesquisa tecnológica nessa área. Dentre muitos outros feitos, ainda traz no currículo passagens pela Fundação do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia e Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN).

Na categoria Setor Privado, o Prêmio destaca-se a dupla Olivia de Oliveira e Sergio Ekerman, responsáveis pelo projeto da nova sede da NEOJIBA - Núcleos Estaduais de Orquestras Juvenis e Infantis da Bahia, sediada nas antigas instalações da Empresa Baiana de Saneamento (Embasa), no Parque do Queimadinho, em Salvador. Os arquitetos foram escolhidos para desenvolver o projeto da nova sede junto ao escritório de arquitetura Butikofer de Oliveira Vernay Sàrl, vencedor de diversos prêmios internacionais e sediado em Lausanne, na Suíça. Um dos objetivos do projeto foi preservar a arquitetura neoclássica brasileira nos prédios. O estilo arquitetônico surgiu na Europa entre os séculos XVIII e XIX (1750 a 1830), como resgate da antiguidade clássica grega e romana, em contrapartida ao estilo anterior, barroco/rococó. Olívia e Sergio foram os coordenadores locais do projeto contratados pelo Instituto de Ação Social pela Música (IASPM), fundado em 2008 para promover, incentivar e apoiar o desenvolvimento e a interação social pela prática musical coletiva.

Quatro reconhecimentos no Prêmio FNA 2019

O arquiteto e urbanista Flávio Tavares Brasileiro, da Paraíba, está entre os laureados deste ano. Desde 2017, seu trabalho à frente da Secretaria do Planejamento do município de Conde vem ganhando notoriedade, sendo responsável pela implantação de políticas diferenciadas que estão se tornando referência local, regional e até mesmo nacional. O profissional realizou dois exitosos concursos públicos de projetos nacionais, um voltado à reurbanização da área central da cidade e, o segundo, direcionado à construção de uma Unidade Básica de Saúde Quilombola. Outras ações do profissional incluem o programa Mutirão na Vizinhança, que em suas três edições proporcionou a reativação de espaços e equipamentos públicos comunitários. Além disso, a pasta municipal está coordenando a implantação do primeiro Escritório Público de Assistência Técnica, que já começa a prestar os primeiros atendimentos em ATHIS.

Também recebe o reconhecimento do Prêmio FNA 2019, o arquiteto e urbanista Gilson Paranhos, nascido no interior paulista, reside em Brasília desde a década de 1970, respondendo pela autoria de 185 projetos em diversos estados do Brasil, entre eles, estão hospitais da rede Sarah, no Distrito Federal, e projetos de moradia popular, na Bahia. Também no Distrito Federal, foi responsável pela implantação de vários postos de assistência técnica em habitação de interesse social. No campo institucional, desde 2015 preside a Companhia de Desenvolvimento Habitacional do Distrito Federal (Codhab) e desde 1977 é membro superior do Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB). Paranhos foi um dos profissionais que trabalhou na articulação para a criação do conselho de Arquitetura do Brasil, junto a outras lideranças que formavam o então Colégio Brasileiro de Arquitetos.

O Prêmio FNA 2019 também destaca o Acervo Assis Reis, da Bahia, que reúne os projetos do arquiteto Assis Reis (1926/2011) e os disponibiliza na internet. A iniciativa desenvolvida pela filha também arquiteta e urbanista Márcia Reis, permite o resgate e a catalogação de plantas de projetos arquitetônicos, croquis, filmes, gravações de entrevistas, desenhos de caricaturas, textos, documentos e fotos a partir de 1960. Nascido em Aracaju (SE), Assis Reis desenvolveu sua carreira profissional na Bahia, onde obteve reconhecimento mundial ao receber a Menção Honrosa, em 1969, pelo projeto Pavilhão do Brasil, na Exposição Internacional de Osaka, no Japão. O acervo digital é considerado um ponto de partida de uma proposta maior que busca a criação do Centro de Documentação da Arquitetura baiana (CEDAB).

A formação de arquitetos e urbanistas e engenheiros civis capazes de enfrentar os desafios da conservação, restauração, revitalização, reciclagem, renovação de monumentos edificados e das intervenções em núcleos urbanos de interesse cultural. Com esse propósito, o curso de Mestrado Profissional em Conservação e Restauração de Monumentos e Núcleos Históricos da Universidade Federal da Bahia (MP-CECRE) fecha a relação de homenageados do Prêmio FNA 2019. Aprovado pela CAPES em 2009 e com sua primeira edição um ano depois, o Mestrado capacita profissionais para atenderem demandas de instituições públicas e privadas que atuam na área da preservação de bens imóveis, através de uma sólida base teórico-crítica e de um grande conhecimento prático. O curso é gratuito, bianual e acolhe alunos brasileiros e estrangeiros legalmente residentes no Brasil, além de estrangeiros provenientes de toda a América Latina.